Gerenciamento de crises na segurança: Como lidar?

Saiba mais sobre o gerenciamento de crises na segurança e o papel do vigilante nas empresas.

De acordo com o Manual do Vigilante, o gerenciamento de crises na segurança é:

“O processo eficaz de se identificar, obter e aplicar os recursos estratégicos adequados para a solução da crise, sejam medidas de antecipação, prevenção e/ou resolução, a fim de assegurar o completo restabelecimento da ordem pública e da normalidade da situação”.

Os principais objetivos do gerenciamento de crises são de aplicar a lei e preservar a vida, que é o bem jurídico de maior valor e principal alvo de proteção.

No gerenciamento de crises, a tomada de decisões deve ser baseada nos seguintes critérios:

– Necessidade: Indica que qualquer ação somente deve ser implementada quando

for indispensável.

– Validade do Risco: Orienta que toda e qualquer ação tem que levar em conta se os

riscos dela advindos são compensados pelos resultados.

– Aceitabilidade: Implica em que toda a ação deve ter embasamento legal, moral e

ético.

FONTES DE INFORMAÇÃO

O grau de risco em um evento crítico deve ser avaliado levando em conta as informações coletadas pelas seguintes fontes:

– Reféns liberados ou que tenham conseguido fugir;

– Negociadores;

– Policiais encarregados de observar o ponto crítico ou que estejam na condição de franco-atiradores (atiradores de precisão);

– Investigações;

– Documentos a respeito dos bandidos e do ponto crítico, tais como mapas, croquis, fotografias, etc.;

– Vigilância técnica do ponto crítico;

– Mídia;

– Ações táticas de reconhecimento.

PLANO DE SEGURANÇA DA EMPRESA

O gerenciamento de crises na segurança é um tema abordado no treinamento dos vigilantes.

O profissional precisa conhecer as prescrições contidas no manual para agir preventivamente em eventos críticos, e adotar as medidas previstas em caso de desencadeamento de crises.

MANUAL DO VIGILANTE

O Manual do Vigilante foi desenvolvido pela Associação Brasileira dos Cursos de Formação e Aperfeiçoamento de Vigilantes (ABCFAV), com a colaboração da Polícia Federal.

De acordo com a Portaria nº 3.233/2012-DG/PF, o vigilante formado deverá voltar compulsoriamente à sala de aula a cada 2 anos, não definindo qual curso de extensão ou reciclagem irá realizar.

CONHEÇA A HUNTER’S

A Hunter’s é uma escola que treina e forma profissionais com a certeza de uma preparação qualificada para atuar na área de segurança. 

Somos especializados na formação e reciclagem de profissionais e ofertamos diversos cursos voltados para a proteção de patrimônios e indivíduos, aliados a expertise de mais de 19 anos na área.

Conheça nossos cursos:

http://www.escolahunters.com.br/cursos/

Fontes:

http://www.pf.gov.br/servicos-pf/seguranca-privada/legislacao-normas-e-orientacoes/manual-do-vigilante/manual-do-vigilante/manual_vigilante.zip/view